amor

Patativa do Assaré: Saudade é canto magoado

patativa_do_assare_02

Texto de Danilo Lago

Saudade é canto magoado

No coração de quem sente

É como a voz do passado

Ecoando no presente

O suspiro da ausência rasga os ponteiros do relógio. É o que sinto ao ler esse verso parido no sertão do nordestino coração de Patativa do Assaré. Poesia que encabula os meus verbos, transformando os meus trincados suspiros em magoados sentimentos. É poesia feita com o silêncio do corpo calejado, debaixo do sol forte, a enxada pesando nos ombros, os joelhos rezando por chuva. É um grito contra a opressão do mundo dos homens e uma rasteira ao dos deuses. É a Saudade feita coisa.

Meu nordestino avô, Agnelo, se foi na semana passada, antes do combinado. Daí, meu suspiro de ausência. Ele adorava a poesia do Patativa do Assaré, embora nunca tivesse adquirido nenhum livro sequer do poeta. Conhecia as poesias de ouvido, pela força da tradição oral.

Pelejei pra conseguir encontrar o livro Ispinho e Fulô, até que encontrei um exemplar no sebo do messias, no centro de São Paulo. É difícil acreditar que pra conseguir qualquer livro de um dos poetas mais populares do Brasil é necessário enfrentar tamanha dificuldade.

Com o livro em punho, fui até a casa do meu avô. Passamos horas, ou as horas passaram, não sei direito, comungando daquelas poesias. Uma tarde inesquecível e inventada. Eu lhe disse que queria ser escritor, ele ficou me olhando, olhando, fechou os olhos e escapou algumas palavras:

– Escrever é um ofício bom, viu, apesar de ser uma peleja danada pra escolher as palavra. Tem que pensá muito antes de bota a palavra no papel. Você sabia que pra ser escritor tem que ter uma estrela no coração?

SAUDADE

Saudade dentro do peito

É qual fogo de monturo,

Por fora tudo perfeito,

Por dentro fazendo furo.

Há dor que mata a pessoa

Sem dó e sem piedade,

Porém não há dor que doa

Como a dor de uma saudade.

Saudade é um aperreio

Pra quem na vida gozou,

É um grande saco cheio

Daquilo que já passou.

Saudade é canto magoado

No coração de quem sente

É como a voz do passado

Ecoando no presente.

A saudade é jardineira

Que planta em peito qualquer

Quando ela planta cegueira

No coração da mulher,

Fica tal qual a frieira

Quanto mais coça mais quer.

Fonte: ASSARÉ, Patativa. Ispinho e Fulô. São Paulo. Hedra, 2005.


Danilo Lago é aspirante na teologia e pescador na literatura. Sabe que é mais fácil começar uma briga do que um texto. Para conhecer mais:

Página: https://www.facebook.com/cronicacinzenta/?fref=ts

Feliz dia dazamiga e dozamigo!

claclamigues

Texto de Maria Karina

Às vezes a gente deita na cama e fica pensando em como tem sorte de conhecer uma galera incrível. Agradece a todas as entidades divinas, desde os deuses do Olimpo até os pokémons.

Tem também aquele povo que a gente morre de vontade de ser amigo de infância. Sabe aquelas pessoas que você pensa “maaaano, que lindaaaaa, quero andar com ela no recreio” e ai sai curtindo todas as fotos, postagens e vira aquela stalker maluca? E quando ela curte ou compartilha alguma postagem sua e você quase cai da cadeira e fica gritando É PENTAAAAAAA  É PENTAAAAAAAA. Então, acontece.

Depois de passada a euforia você fica lá conversando com suas lantejoulas para maneirar um pouco a dose, tentar se comportar senão vai parecer uma psicopata. Pensa nas suas autoras favoritas e conclui “elas nunca seriam minhas amigas”, coloca a mão no coração e começa BATATINHA QUANDO NASCE (parei).

A questão é que você não imagina cada história divertida de escritoras(es) quando gostam de alguém pra ser amigue de infância. Até Clarice Lispector, que sustentava aquele olhar de quem estava só de férias no mundo e por isso mesmo não era obrigada a nada, já deixou a timidez em casa e foi com tudo pra cima da artista Djanira da Motta. Repara nesse trecho de uma entrevista feita pela nossa deusa das palavras e diz se não tá na cara que Clarice seria stalker fácil da Djanira no facebook:

Como não amar Djanira, mesmo sem conhecê-la pessoalmente? Eu já amava o seu trabalho, e quanto – e quanto. Mas quando se abriu a porta e eu a vi – parei e disse:

– Espere um pouco, quero ver você.

E vi – eu vi mesmo – que ela ia ser minha amiga. Ela tem qualquer coisa nos olhos que dá a ideia de que o mistério é simples. Não estranhou o fato de eu ficar olhando para ela, até eu dizer:

– Pronto, agora já conheço você e posso entrar.

Djanira tem a bondade no sorriso e no resto, mas não uma bondade morna. Nem é uma bondade agressiva. Djanira tem em si o que ela dá no seu trabalho. É pouco isso? Nunca, isso é tudo. Isso é a veracidade do ser humano dignificado pela simplicidade profunda que existe em trabalhar.

Sentamo-nos, eu sem tirar os olhos do rosto dela, ela me examinando com bondade, sem me estranhar nem um pouco.

Não se deve escrever Djanira e sim DJANIRA.

– Djanira, você é uma criatura fechada. E eu também. Como vamos fazer? O jeito é falar a verdade. A verdade é mais simples que a mentira.

Ela me olhou profundamente. E eu continuei, com esse tipo de timidez que sempre foi a minha:

– Eu quero saber tudo a seu respeito. E cabe a você selecionar o seu tudo, pois não quero invadir sua alma. Quero saber por que você pinta e quero saber por que as pessoas pintam. Quero saber que é que você faria em matéria de arte se não fosse pintura. Quero saber como é que você foi andando a ponto de se chamar Djanira. E quero a verdade, tanto quanto você possa dar sem ferir-se a si própria. Se você quiser me enganar, me engane, pois não quero que nenhuma pergunta minha faça você sofrer. Se você saber cozinhar, diga, porque tudo o que vier de você eu quero.

– A gente pinta como quem ama, ninguém sabe por que ama, a gente não sabe por que pinta.

Fonte: LISPECTOR, Clarice. Entrevistas. Rio de Janeiro. Rocco, 2007.


Maria Karina anda por ai querendo se saber, desfazendo Letras, provoc(am)ando gentes e pondo em tudo a vírgula que é pra imitar Clarice – de quem fez mãe sem nunca dela ter levado bronca. Taí uma mentira e vírgula. Para conhecer mais:

Tumblr: http://minhastardescomchaya.tumblr.com

Blog: https://estaesmaria.wordpress.com

Polêmica: Rubem Alves favorável à eutanásia

13814386_308451046153866_1835660136_n

Texto de Maria Karina

Apesar de a eutanásia ser uma prática que vem desde a Grécia e Roma antigas, o assunto ainda é um grande tabu. São poucos os países que permitem o procedimento, que se trata, basicamente, do auxílio médico direto para provocar a morte de um paciente em determinado estado de saúde. Existe também o suicídio assistido, nesse caso, a própria pessoa tem facilitado o acesso à droga letal, mas não pode ter ajuda de terceiros na execução. Ambos procedimentos para serem autorizados exigem alguns requisitos importantes, como a lucidez do paciente e a comprovação do grave quadro clinico.

Recentemente o assunto voltou a ser discutido através do filme “Me before you” (Como eu era antes de você, em tradução brasileira), que conta a história de um rapaz que sofre um acidente e fica tetraplégico, o que decai drasticamente a sua qualidade de vida, pois além da perda de quase toda sua capacidade motora, sua imunidade reduz cada vez mais. A história apresenta muitos estereótipos, o rapaz rico, a moça pobre, uma paixão de temporada. A trama, no entanto, centra-se na decisão do rapaz pela eutanásia. Será que ao se apaixonar ele poderá mudar de ideia?

Outro filme que tratou do assunto e foi alvejado de boas críticas, concorreu (e venceu) diversos prêmios, foi Menina de ouro. Nele, conta-se a história de uma lutadora de boxe incrivelmente determinada e talentosa, que tem a medula espinhal lesionada durante uma luta – e assim como no caso do filme mencionado acima, perde praticamente toda sua capacidade motora, precisa lidar com amputação, entre outros problemas. A grande polêmica gerada pelo filme foi justamente a decisão dela de morrer, porque ela nunca mais subiria no ringue. O ringue era a vida dela. Era seu propósito. O fato de seu chefe, como ela o chamava, ter feito isso sem o aval de autoridades atiçou as fogueiras da nossa idade média moderna. Mas ele realizou o pedido dela. A decisão não foi fácil, afinal, ele a amava. Como aceitar esse desejo de morte de alguém que amamos?

E é nesse barulho que surgem as preciosas palavras do multifacetado Rubem Alves, o velhinho eterno jovem que nos deixou há pouco tempo. No livro Desfiz 75 anos, Rubem escreveu um texto entitulado justamente “Eutanásia”, em que se posiciona claramente favorável ao procedimento, por uma questão ética. A ética conceituada por Albert Camus. Aproveitem alguns trechos:

Sempre que se fala em eutanásia seus opositores invocam razões éticas e teológicas. Dizem que a vida é dada por Deus e que, portanto, somente Deus tem o direito de tirá-la. Eutanásia é matar uma pessoa e há um mandamento que proíbe que isso seja feito. Assim, em nome de princípios universais, permite-se que uma pessoa morra em meio ao maior sofrimento.

Pois eu afirmo: sou a favor da eutanásia por motivos éticos. Albert Camus, numa frase bem curta, disse que, se ele fosse escrever um livro sobre ética, 99 páginas estariam em branco e na última página estaria escrito “amor”.

Todos os princípios éticos que possam ser inventados por teólogos e filósofos caem por terra diante dessa pequena palavra: “amar”. Deus é amor.

O amor, segundo os textos sagrados, é fazer aos outros aquilo que desejaríamos que fosse feito conosco, numa situação semelhante.

Amo os cães e já tive dezenas. Muitos deles eu mesmo levei ao veterinário para que lhes fosse dado o alívio para o seu sofrimento. Fiz isso porque os amava, eram meus amigos, queria o bem deles. E eu gostaria que fizessem o mesmo comigo, se estivesse na sua situação de sofrimento.

Defender a vida a todo custo! De acordo. É a filosofia de Albert Schweitzer e a filosofia de Mahatma Gandhi: reverência pela vida. Tudo o que vive é sagrado e deve ser protegido.

Mas o que é a vida? Ouço os bem-te-vis cantando: eles estão louvando a beleza da vida. Vejo as crianças brincando: elas estão gozando as alegrias da vida. Vejo os namorados se beijando: eles estão experimentando os prazeres da vida. Que tudo se faça para que a vida se exprima na exuberância da sua felicidade! Para isso todos devem ser feitos.

Mas eu pergunto: a vida não será como a música? Uma música sem fim seria insuportável. Toda música quer morrer. A morte é parte da beleza da música. A manga pendente num galho: tão linda, tão vermelha. Mas o tempo chega quando ela quer morrer. A criança brinca o dia inteiro. Chegada a noite, ela está cansada. Ela quer dormir. Que crueldade seria impedir que a criança dormisse quando o seu corpo quer dormir.

A vida não pode ser medida por batidas de coração ou ondas elétricas. Como um instrumento musical, a vida só vale a pena ser vivida enquanto o corpo for capaz de produzir música, ainda que seja a de um simples sorriso.

Fonte: ALVES, Rubem. Desfiz 75 anos. Campinas. Papirus, 2009.


Maria Karina anda por ai querendo se saber, desfazendo Letras, provoc(am)ando gentes e pondo em tudo a vírgula que é pra imitar Clarice – de quem fez mãe sem nunca dela ter levado bronca. Taí uma mentira e vírgula. Para conhecer mais:

Tumblr: http://minhastardescomchaya.tumblr.com

Blog: https://estaesmaria.wordpress.com